Xpand Consultoria - As inovações e tendências da Medicina Diagnóstica.

As inovações e tendências da Medicina Diagnóstica

É impossível refletir sobre o papel da Medicina Diagnóstica sem associar às transformações vivenciadas por toda a sociedade nos últimos anos. Há algumas décadas, o setor de Medicina Diagnóstica presenciava uma corrida tecnológica, focando em equipamentos de última geração e novos exames para atender às necessidades do setor. Por outro lado, hoje em dia o foco inovativo do setor está caminhando para soluções que envolvam inteligência artificial, analytics e Big Data.

Quando se traça um paralelo com a realidade atual, com todas as medidas de restrição de circulação de pessoas imposta pelos governos para conter a transmissão da COVID-19, observamos um aumento significativo na modalidade de telemedicina que foi regulamentada em caráter emergencial e temporário em março desse ano, mas que tende a receber maiores investimentos dos players envolvidos em decorrência dos resultados satisfatórios, tanto para médicos quanto para pacientes, assim que houver uma consolidação.

Embora existam ressalvas sobre essa nova modalidade, principalmente no que diz respeito à eficiência do atendimento, médicos e pacientes relatam que é possível a realização de uma consulta de qualidade e humanizada, mesmo que de forma remota. Além disso, é possível que os médicos prescrevam receitas à distância, com base em suas assinaturas digitais. Essa nova situação abre possibilidades pouco exploradas até então, como a própria diminuição de custos com aluguel de consultórios e maiores opções de atendimento para a população que não vive nos grandes centros urbanos do país, onde há uma gama maior de especialistas.

Quando se trata da abordagem utilizada pelo setor de medicina diagnóstica, o foco sempre foi voltado aos exames laboratoriais e de imagem, solicitados muitas vezes de forma reativa e preventiva, quando já há uma indicação médica ou intenção do paciente em realizar esse tipo de acompanhamento. A busca dos setores para os próximos anos é que esse fluxo tenda para uma abordagem preditiva com o avanço da Saúde 4.0, toma-se como exemplo o mapeamento genômico, responsável por descobrir os genes responsáveis por doenças hereditárias e que pode auxiliar na prevenção de futuras enfermidades, considerando que é muito menos custoso tratar uma doença como o câncer em seus estágios iniciais do que finais, tanto do aspecto econômico quanto psicológico.

Por outro lado, esses exemplos de tratamentos ainda não são acessíveis a maior parte da população, mas já é possível vislumbrar cenários para os próximos anos onde acompanhamentos cada vez mais assertivos e respaldados pela Inteligência Artificial estarão presentes na vida das pessoas. É viável descrever um cenário em que essas soluções estejam cada vez mais customizadas e personalizadas de acordo com o tipo de usuário, fazendo com que a área de medicina diagnóstica esteja mais voltada à experiência do usuário.

Ainda não se sabe ao certo o quanto essas transformações irão impactar nossas vidas, mas sabemos que essa parceria entre ciência e inovação será responsável por revolucionar todo um setor que até pouco tempo atrás investia em novos maquinários e que agora passa a investir cada vez mais na tecnologia e na digitalização.



CATEGORIAS

Inscreva-se

Cadastre-se com seu endereço de e-mail para receber novidades e atualizações.

Fale Conosco pelo WhatsApp